domingo, 3 de março de 2013

90- NADA E TUDO


Quando retiramos as várias camadas de uma cebola, uma a uma, no final o que resta? 
Alguns dizem que o fim é o nada. Para mim o final representa o tudo. 
Quando um relacionamento acaba, quando uma demissão surge, quando uma mudança profissional drástica acontece, quando um problema de saúde se mostra limitante e compromete a continuidade do que antes era costumeiro... 
Enfim, quando o novo inevitável bate à porta transformando o que era tido como certo, desconstrói-se uma realidade fácil e viciante. E com seu término o que fica? 
Um universo imenso de possibilidades felizes. 
O nada é o tudo em potencial. 

(Kau Mascarenhas)




Cliquei essa imagem em Alto Paraíso de Goiás - num único ramo encontramos tudo: a flor morta, a flor plena e a flor em botão. Na fotografia muito me interessa observar e registrar os pequenos detalhes.

Um comentário:

Aline disse...

O tudo e o nada, o vazio e o pleno, a noite e o dia, o amor e ódio, todos são opostos que se completam, yin e yang. Cabe a cada um de nós determinar qual perspectiva vai preferir, e daí construir sua melhor parte.
Adorei a postagem, boa semana.